Marcadores

domingo, 3 de agosto de 2014

João Rosa de Castro - O Sonho de Terpsícore - Com Prefácio de Carmen Liz Vieira de Souza


Prefácio

Assim que comecei a leitura de “O Sonho de Terpsícore”, fui sentindo reavivar-se em mim memórias ligadas a infância, mais precisamente a brinquedos de parque de diversões; aqueles que giram muito e sobem e descem e rodam enquanto sobem e nos viram de cabeça para baixo, continuando a girar e a subir e a descer, nos deixando tontos até quase perdermos os sentidos; e quando param e soltamos os cinturões de segurança, saímos andando em ziguezague, desfrutando prazeirosamente da sensação de estarmos livres das defesas do ego; o que nos permite olhar o mundo de vários outros ângulos, para os quais nossas defesas psíquicas não nos permitiam olhar. Lembrei que gostava, quando era bem pequena, de ficar alguns minutos “plantando bananeira”, buscando estas mesmas sensações: a visão e as sensações alteradas, o frio na barriga, a vertigem – medo e liberdade ao mesmo tempo.
A minha compreensão da obra de João Rosa de Castro é, desde o primeiro poema, visceral e dionisíaca, e desperta muito os meus sentidos. Só mais tarde, depois de ler, experimentar e sentir, podemos começar a dar sentido e significado à nossa vivência. Aos poucos, vamos permitindo que esses significados se juntem, formando nossa identidade. Recomendo que se entreguem à vertigem desta leitura e desfrutem deste prazer. Ao final da obra, você não será mais o mesmo.

São Paulo, 03 de agosto de 2014.


Carmem Liz Vieira de Souza.