domingo, 2 de abril de 2017

João Rosa de Castro - Zum


RITUAL DIÁRIO

Arroz para famintos.
Feijão para distraídos.
Frango na panela – quantos não gostam?
Comida simples e caviar nos estômagos.
Um bife que seja;
Picanha no churrasco de domingo.
Boys and girls absortos, e os velhos vendo comer felizes.
Garfos, facas, colheres e conchas nas mesas
Compõem a inesquecível literatura dos ouvidos.
O povo e sua marmita recheada.
O anti-povo nas filas mais sofisticadas.
Todos comendo, a beijar e a olhar;
No mesmo movimento:
Mastigar, saborear, engolir
E esperar o grande efeito alucinante.

João Rosa de Castro - Amor Grátis

RODA QUADRADA Procuro em meu ser um poema Limpo e irretrospecto, Doce e útil, E não encontro. Um pedaço de pensamento Livre d...