domingo, 4 de fevereiro de 2018

João Rosa de Castro - Bis

A VIDA É NOSSA

A tribo não dançou hoje como ontem.
Quer ver televisão com as meninas.
Do teu nariz escorre um ar pesado.
Você engana quantos não enxergam.
Eu com a teia aranha faço laços.
O Pedro com ouvidos de argila.
Fofoca come solto na bastilha.
Um quer sorver o outro pelo nome.
O mundo aprendeu tudo com Dolores.
O que fazer com tudo assim tão pronto?
O que dizer se tudo já vai dito?
O nojo foi virando uma virtude.
A praga, um negócio, uma fortuna.
Que tudo que se diz guarda um segredo.
Tesouro acumulado torna um rico.
O rico pisa sobre o sem segredo.
E o mundo vai seguindo sem sentido.




Fio Terra poderia ter outro título que este ambíguo. Mas, como a arte em si é polissêmica, não há porque não chamá-lo assim.
Fala em equilíbrio, em uma esperança que nem aumenta nem diminui o suplício. Mas uma esperança que move para o ato. Para a ação, para o sentir-se ativo e agente da própria vida.
Pede, do começo ao fim, e a quem quer que ouça, a purificação, a cristalização do mundo, a clareza da própria obscuridade, a purificação do absurdo, e, talvez, o obscurecimento do translúcido, numa urgência de movimentos que não importa quais sejam, desde que sejam movimentos.
Observa que as paisagens se compõem em si mesmas. Os rios se encontram e se comunicam, as águas chegam ao mar. O mundo é um só e estamos todos nele e por ele ligados.
Usa linguagem formal ao lado de gírias, como em: “Vós coniventes e inversos: nóias ou anjos-da-guarda?”, e a ligação de lugares distantes, como em “E a Indonésia e a Líbia sopram vulcões da Islândia.”.
É, portanto, livro repleto de movimento e imagens transcendentais, que me traz muito orgulho ter escrito e teria me deixado menor se não o tivesse feito.

O seu autor,
João Rosa de Castro.

João Rosa de Castro - Persona Non Grata

HABEAS CORPUS Ó Senhoras, Digam-me as horas. Hei de ir embora. Mas digam-me antes Qual rua seguir. Ó Senhoras, Digam-me as...