domingo, 17 de novembro de 2013

João Rosa de Castro - Alma Nua

O MEU ANDAR

Eu atração de neuróticos.
Um com pressa de tomar o trem.
Outro sonhando com milagres.
Um querendo de mim prodígios
Outro de mim perfeição.

Estupidamente dispersos
Movem-se homens, mulheres, cachorros.
Sinto-me num grande agadê.
Todos livres para tudo
Menos para rejeitarem a liberdade.
Aonde leva este andar
Sem rima com nenhuma canção?
Ah vida absurda, absurda vida.
Vida atávica, atávica vida:
A quem pertence a existência

Quando não à jontex?

João Rosa de Castro - Amor Grátis

BREVE Falsa saudade corrói o peito do homem-criança. Quiçá a casinha, Quiçá a amarelinha, Quiçá virá o inferno ou o céu Como ce...