domingo, 22 de junho de 2014

João Rosa de Castro - Flores do Pântano

MERCADO FECHADO

O que há para o café?
O que há para o dia?
Nenhum assunto novo.
Nanotecnologia em benefício do mercado.
Mas há correntes envolvendo o mercado.
Não entra quem quer vender,
Só entra quem quer comprar.
É por isso que lá não vendo mais os meus beijos.
Há outros – rápidos, doces e efêmeros.
O meu beijo é amargo, longo, intenso.
Quando eu beijava à venda eu cobrava caro, muito caro.
Pois meu beijo eternizava
E quem me beijasse podia passar uma vida,

Toda a vida sem beijar ou mesmo querer beijar.

João Rosa de Castro - Amor Grátis

RODA QUADRADA Procuro em meu ser um poema Limpo e irretrospecto, Doce e útil, E não encontro. Um pedaço de pensamento Livre d...