Marcadores

domingo, 18 de outubro de 2015

João Rosa de Castro - O Erê - Com Prefácio de Rosângela Rodrigues Ferreira

O RECADO


Uma escova fina para pentear
Os cabelos desse dengo de menino.
Vamos torná-lo doutor
Vamos colá-lo no chão.
Chama o Machado de Assis
Arranca o erê da solidão.
Pense num jeito discreto.
Eu sei que somos milhões.
Mas cada um do seu modo,
Pode ser mais feliz do que triste.

Nunca pensei que eu pudesse.
Ser pai assim tão contente.
Ver a criança – o futuro
Brilhar nesse par de olhos.

Tens aí a mãe toda tua
E os meus dias de graça.
É para rir que convido
É mostrar os dentes que surgem,
Porque depois eu me tranco
Nos afazeres de homem.
Fica você mulherzinha
Querendo a pele macia,
Bebendo sucos salgados
Amanteigados e tépidos.
Pera que inda tem aqui o tempo
Nesses ponteiros tão certos.
Nunca se esqueça da hora
Que vai seguir os teus passos.