João Rosa de Castro - O Cio da Pedra

VITREUX

Sóbria tarde de silêncio na cidade.
O esconderijo dos mais deuses
Faz do céu um espetáculo de nuvens.
Pensa-se em festas e cortejos.
Cogita-se passeatas novas e imprevisíveis.
Mas o espírito livre só é livre que solitário.
Não pode manifestar-se amplo como o satélite ordena.
Esconde-se do fogo eletrônico à espreita atrás das árvores.
E alimenta-se assim.
E perambula assim.
E assim existe.
Out of the spotlights produz.
Com um brilho próprio.
Com um jeans eterno
E uma dupla volúpia na mente.
Digna do mais puro e sincero abandono

Nas noites de verão.

Postagens mais visitadas deste blog

João Rosa de Castro - Zum

João Rosa de Castro - Zum

João Rosa de Castro - Zum