Marcadores

domingo, 29 de janeiro de 2017

João Rosa de Castro - Zum


PIANO QUEBRADO

Há palavras ditas em dó.
E pessoas que falam muito em coração.
Substantivo concreto que ninguém visita
Que ninguém adentra
Que ninguém anda ou povoa.
Ninguém e nenhuma pessoa.

Há detalhes explicados em dó.
E planilhas falsas de orçamento
Ludibriando a si mesmo.
Como é árduo ser pego a esmo
E tão vago para o ermitão não tão tímido
Viver no ermo eixo.
Tudo no formato ice.
Tudo no formato light
Bocas sensuais oferecendo beijos diet.

show de rock completo em dó.
E fibras capilares chicoteando o espaço.
Vários anjos vibrando nas guitarras e dizendo:
“Saiam todos de ré!”

Há bicicletas que pedalam em dó,
Marcam o chão da cidade molhada.
Substantivo abstrato bicicleta
Que todos carrega com dó.

Há enigmas decifrados em dó.
Por falta de luz,
Por falta de sol,
Por falta de acústica e mãos que toquem.

E no meio do entulho

Mergulhava triste o piano com o dó de fora.