Marcadores

domingo, 5 de fevereiro de 2017

João Rosa de Castro - Zum


BUROCRACIA NO PLEIGRAUNDE

E quis ser homem sem ser reprise,
E quis uma soda sem ser aquela,
E quis unir sem ser barbante,
E quis amar sem ser clichê,
E quis um carro sem propaganda,
E quis andaime sem construção,
E quis ter grana sem pôr no banco,
E quis ter banda sem formulários,
E quis namorada sem ser aquela,
E quis a serra sem cortar árvores,
E quis tombar muros sem pinque-floides,
E quis a mãe sem fróide ouvindo,
E quis o outro sem repetir-se,
E quis a morte sem vir da vida,
E quis rimar sem ser poeta,

E quis ser homem – e foi reprise.